http://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/54.jpg
Laerte Martins
Laerte Martins
Economista da ACIC

Varejo de maio levemente mais aquecido em Campinas e região

As vendas do comércio varejista de Campinas, em maio de 2016, quando avaliado com o mês de abril passado, apresentou uma elevação de 11,32%. Na comparação com maio de 2015, no entanto, o impacto foi negativo em 8,15%.

Além do mês de maio comemorar o “Dia das Mães”, apresentou uma variação climática de temperatura mais fria, motivou um pouco mais as vendas, quando em avaliação com o mês anterior de abril de 2016. No entanto, as vendas do mesmo feriado em 2015, apresentou uma redução de 4,85%, o que acabou refletindo negativamente em 8,15% quando avaliada com as vendas de maio de 2015.

Em relação ao acumulado do ano, janeiro a maio de 2016, as vendas em valores nominais apresentaram uma redução de 4,60%, com uma arrecadação de R$ 5,2 bi, menor que os R$ 5,4 bi do período de 2015.

A inadimplência, em função da Lei do AR foi estimada com um crescimento de 39,3% frente a abril de 2016, e 1,21% rente a maio de 2015.

No acumulado do ano, a inadimplência evoluiu em 5,28%, com 90.230 boletos/carnês vencidos e não magos a mais de 30 dias, representando cerca de R$ 65,0 milhões no endividamento dos consumidores no comércio varejista.

Nota-se que a inadimplência do acumulado de maio de 2016 ficou 1,57 percentuais abaixo do acumulado de 2015.

Na RMC, os números projetados para o comércio varejista apresentam uma redução de 3,42% no período de janeiro a maio, com uma arrecadação de R$ 12,5 bi abaixo dos R$ 12,9 bi de janeiro a maio de 2015.

A inadimplência também apresentou no período janeiro a maio de 2016, uma variação de 5,26%, com 221.073 boletos/carnês vencidos e não pagos a mais de 30 dias, representando cerca de R$ 159,2 milhões no endividamento dos consumidores da RMC.

A expectativa que se verifica para o comércio varejista, neste momento, é que a mudança provocada pelo afastamento da presidente, ainda não deu nenhum resultado positivo, mas mudou os índices de confiança, que ainda negativos, melhoram para valores menos negativos.com tendência de alta à posterior.

O mais importante é melhorar o poder de compra, reduzir a inflação e a taxa do desemprego, juntamente com a Selic e o aumento nos investimentos. 

 

Laerte Martins

Economista - ACIC 


Laerte Martins| Avaliação-mensal, Campinas, RMC, Economia, ACIC, Maio, vendas, faturamento

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados