https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/1022..jpg
Jornal das Associaçōes Comerciais do Estado de São Paulo
Jornal das Associaçōes Comerciais do Estado de São Paulo
Jornal das Associaçōes Comerciais do Estado de São Paulo

A importância da mediação para pequenos negócios

A advogada Patrícia Freitas (à esq.) compartilhou com empreendedores algumas vantagens dos meios extrajudiciais de resolução de litígios durante seminário promovido pela CEMAAC.

Em casos de disputas societárias e conflitos com fornecedores, imobiliários, trabalhistas, entre outros, nem sempre recorrer ao judiciário é a melhor escolha para as pequenas e médias empresas. Isso porque o processo pode demorar anos para ser resolvido, fazendo com que esses empreendedores gastem tempo e dinheiro, além de muitas vezes prejudicarem relações duradouras com parceiros comerciais.

De acordo com Patrícia Freitas, advogada e fundadora do escritório Freitas Foucos Advogados, a mediação privada pode ser o melhor caminho para solucionar esses litígios. Esse meio extrajudicial busca ouvir ambos os lados de forma imparcial e oferece opções criativas para que ambas as partes cheguem ao consenso, garantindo assim a manutenção da relação econômica ao fim da mediação. 

Diferentemente da via judicial, na qual há intimação de uma das partes e uma eventual condenação após o veredito do juiz, o caminho extrajudicial da mediação permite que as partes envolvidas escolham a melhor opção para solucionar os seus conflitos, não dependendo de um terceiro. 

O mediador desse processo tem o papel de escutar ambas as partes de forma imparcial e sugerir os meios para a resolução do litígio. E como o mediador costuma ser alguém que entende de negócios, as soluções apresentadas por ele normalmente se encaixam na realidade dos empreendedores.

Por esses motivos, segundo Patrícia, “se o empreendedor tem um conflito com algum fornecedor que presta serviços para ele há muito anos, a mediação é uma forma deles resolverem esse conflito sem que fique algum ressentimento.”

A advogada fez o comentário durante seminário promovido pela Câmara Empresarial de Mediação e Arbitragem da Associação Comercial de São Paulo (CEMAAC), que aconteceu na quinta-feira (23).

Além da resolução habitualmente pacífica do litígio, outras vantagens da mediação são a velocidade e os custos menores. Segundo informações da CEMAAC, 80% dos casos são resolvidos na primeira sessão. Dessa forma, o empreendedor economiza recursos que seriam gastos com honorários de advogado em um processo judicial.

A advogada destacou que, embora a mediação seja um processo extrajudicial, a solução aplicada às partes litigantes tem o mesmo peso de uma decisão judicial, sendo que em caso de não cumprimento, há previsão de punições pelos meios legais.

Patrícia enfatizou também o fato de a mediação ser flexível. Por exemplo, “se os litigantes não conseguem ter uma sessão presencial sem que comecem a discutir, o mediador pode fazer sessões individuais, ou juntar as partes remotamente para que eles possam conversar até estarem prontos para fazer o encontro presencial.” 

Explicou ainda que o mediador, embora esteja presente para apontar caminhos, tem o comando de todo o processo. Como exemplo, ela cita que, caso o mediador perceba que uma das partes está na mediação apenas para conseguir dados confidenciais e usar no processo judicial, ele pode cancelar a mediação. 

A advogada também disse que caso o empreendedor precise mostrar algum documento confidencial ao mediador, ele pode solicitar uma sessão privada. Por isso, ela comenta que é importante que o mediador converse com os dois lados para entender seus interesses e suas versões do conflito, para que ele consiga trazer a melhor opção para ambas as partes.

Além disso, caso o empreendedor já esteja resolvendo seu conflito na Justiça, ele pode optar por interromper o processo e seguir com a mediação privada, desde que ambas as partes estejam de acordo. 

Patrícia também compartilha que as partes interessadas podem buscar por mediadores nas câmaras privadas de mediação, como a CEMAAC, que disponibiliza uma lista com mediadores disponíveis. Os interessados podem fazer uma entrevista para avaliar o mediador e entender se ele é a melhor opção para solucionar o conflito em questão.

Clique aqui e saiba mais sobre como a CEMAAC pode ajudá-lo a contar com o serviço de Mediação e Arbitragem, uma alternativa extrajudicial para resolver conflitos de forma mais ágil em relação à justiça comum.

 

 

IMAGEM: Rebeca Ribeiro/DC


Jornal das Associaçōes Comerciais do Estado de São Paulo | mediação, arbitragem, CEMAAC, pequenos, médios, negócios, Campinas, ACIC

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados