http://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/64.jpg
Adriano Pedro Bom
Adriano Pedro Bom
Sócio-diretor da Propter Desenvolvimento Gerencial

A arte de desmotivar seus melhores talentos.

Você já deve ter visto isso acontecer. Várias vezes. Como evitar?

Um dos grandes desafios de um líder atualmente é engajar seu time em busca das metas cada vez mais desafiadoras dos dias de hoje. E uma equipe engajada surge a partir de indivíduos motivados. Parece insano, portanto, observar o movimento contrário: muitas equipes são lideradas por profissionais que dominam a arte de desmotivar seus melhores talentos.  E não estou exagerando, você logo verá. 

É certo que a motivação, no sentido mais abrangente, depende de fatores internos ao indivíduo. Por outro lado, parece que a desmotivação pode ser bastante bem estimulada por fatores externos. 

Listo a seguir três casos bem comuns em que líderes-bem-intencionados-mas-desatentos acabam por “empurrar” seus melhores talentos para fora da empresa. 

1 – Impedir a promoção de um ótimo colaborador. Esse procedimento é um clássico. Já vi diversos casos em que a decisão de não promover um excelente profissional acontece pela inabilidade do líder em preparar sucessores. O argumento é sempre muito semelhante: “Como posso promover meu melhor funcionário? Quem fará o trabalho no lugar dele? Ele precisa compreender que não é possível.” E já constatei também mais de uma situação em que, neste caso, um colaborador menos capacitado fosse então promovido em seu lugar. Consequência: O melhor talento deixa empresa assim que puder. 

2 – Destinar os trabalhos mais complexos e desgastantes para o profissional mais competente, sem que ele tenha um melhor reconhecimento por isso. Muito comum também é observar em uma mesma equipe profissionais desnivelados em competência, mas nivelados em remuneração. Na prática, se um profissional se destaca por resolver problemas mais complexos, ou por conseguir desempenhar seu trabalho com maior eficiência, os maiores desafios são dirigidos a ele ainda que tenha remuneração idêntica aos demais do seu time. O que esse profissional ganha sendo tão eficiente e capaz? Quanto melhor for, mais “abacaxis” terá que descascar, em troca da mesma contrapartida da empresa. Consequência: assim que o profissional de destaque nota essa situação, em geral começa a se desmotivar, e aos poucos o seu rendimento cai. Muitas vezes chega a ser dispensado... “Não é mais o mesmo...”

3 – Deixar de dar feedback ao seu melhor colaborador. “Afinal, ele sabe que está indo bem. Não quero atrapalhar seu trabalho...”. Essa forma de pensar é bastante equivocada. Todos os colaboradores precisam saber se estão no rumo certo ou não, e, ao mesmo tempo, necessitam sentir que seu trabalho é reconhecido. Imagine a situação de um excelente profissional que nunca receba feedback... mas que ao primeiro erro que cometa seja então surpreendido por uma observação do seu superior. Seu modo de enxergar a situação é mais ou menos o seguinte: “Eu me dedico tanto à empresa, tenho sempre ótimos resultados, e não recebo um ‘obrigado’ sequer. Entretanto, quando acontece um mínimo erro sou repreendido. ” Consequência: o colaborador ficará cada vez mais desmotivado. 

Essa lista pode continuar...

Embora cada uma das situações apresentadas tenha seu remédio específico, de forma geral o segredo parece sempre girar em torno do nível de ATENÇÃO e EMPATIA com o qual o líder conduz a sua equipe. 

Abraço, e sucesso!

 

 


Adriano Pedro Bom| ACIC, Blog, Adriano-PedroBom, Artigo, Coluna, Motivação, Liderança, Desmotivação, A-arte-de-desmotivar-talentos

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados