https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/493..jpg
Equipe ACIC
Equipe ACIC
Tradicional instituição empresarial de Campinas, fundada em 1920 e com mais de 2.500 empresas associadas, a ACIC apoia o desenvolvimento das empresas por meio de seus 3 pilares para soluções empresariais: Redução de Custos, Oportunidades de Negócios e Educação Empreendedora.

Glossário do empreendedor: o que é 'growth hacking'

Usado por startups, conjunto de técnicas digitais e criativas ajudam empresas a conquistarem grande número de usuários em pouco tempo. Fonte: JORNAL DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

No mundo do empreendedorismo, algumas histórias parecem jogadas de sorte. Empresas com crescimento exponencial em poucos anos, startups que nascem em universidades e arrecadam grandes investimentos e empreendedores que se tornam milionários.

Mas como depender do acaso para ter sucesso é no mínino arriscado, uma alternativa é o empreendedor se preparar e criar suas próprias oportunidades. É aí que entra em cena o growth hacking, um conjunto de técnicas utilizadas, geralmente, por startups de tecnologia para gerar ideias e soluções, angariar muitos usuários e fazer o negócio decolar. 

Práticas de growth hacking têm início com o monitoramento e análise de dados sobre o comportamento dos usuários e tendências de mercado.

A partir da apuração, a empresa desenvolve experimentos para explorar canais e atingir o usuário com mensagens persuasivas, cativantes e criativas de uma maneira que pareça natural, como em redes sociais, blog da empresa e troca de e-mails. 

Um bom exemplo de comunicação cativante foi usado pelo Hotmail, fundado em 1996 por Sabeer Bhatia e Jack Smith. Os sócios convidaram amigos para testar as funcionalidades de um protótipo do novo provedor de e-mail. 

Eles, então, tiveram a ideia de exibir um pequeno texto abaixo das mensagens que eram enviadas pelos amigos. O texto dizia “PS: I Love You. Get your free e-mail at Hotmail at the bottom” (PS: Eu te amo. Obtenha seu e-mail gratuito Hotmail). 

A ideia era usar a rede de contato dos amigos e fazer com que as próprias pessoas espalhassem a novidade. O impacto foi instantâneo. Na primeira hora, 300 pessoas se cadastraram no site. No segundo dia, 3.000. Seis meses depois, o Hotmail atingiu mais de 1 milhão de usuários. 

ORIGEM  

O termo growth hacking foi criado pelo americano Sean Ellis, profissional de marketing que atuou em diversas empresas de tecnologia, como DropBox, e fundou o Growthhackers.com, portal de conteúdo e rede colaborativa sobre processos de crescimento acelerado. 

Em 2010, Ellis escreveu um artigo em seu blog em que abordava os desafios de uma startup ganhar escala e quais atribuições um profissional focado em crescimento deveria possuir. 

“O profissional deve ter um desejo ardente de ligar a solução da empresa ao seu público-alvo”, afirmou Ellis. “Precisa ter criatividade para descobrir maneiras únicas para conduzir o crescimento e testar e evoluir técnicas já comprovadas por outras empresas.”

FERRAMENTAS ÚTEIS 

Existem algumas ferramentas e práticas digitais que ajudam em processos de growth hacking. 

Uma das mais comuns é o marketing de conteúdo, em que uma empresa fornece conteúdo relevante sobre sua área de atuação em blogs – mas sem fazer propaganda.

A empresa pode postar artigos, vídeos e infográficos. A ideia aumentar a visibilidade da marca e o tráfego do site, ao mesmo tempo em que capta dados dos potenciais clientes.

Outro meio é usar técnicas de SEO (Search Engine Optimization). O método consiste em usar palavras-chave no site para que a página fique mais bem posicionada nos resultados orgânicos do Google. 

Utilizar links patrocinados no Facebook e Twitter também pode atrair muitos usuários. Neste caso, o cuidado maior é o teor da mensagem a ser trabalhada e segmentação do público. O Facebook Ads, por exemplo, permite segmentação de público por dados demográficos, localização, interesses, comportamentos e conexões. 

Em 2015, a marca francesa de preservativos Durex lançou a campanha #LoveBot no Twitter. 
Toda vez que um usuário publicava uma mensagem com um emoji de coração partido, um sistema automatizado identificava e conectava o usuário com outro membro da rede que também tinha utilizado o mesmo emoji – juntava duas pessoas que tinham passados por desilusões amorosas recentemente. 

O objetivo da Durex era criar um burburinho em torno da marca, relacionar os seus produtos ao tema amor e angariar seguidores na rede.

 

IMAGEM: Thinkstock


Equipe ACIC|

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados