https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/250..jpg
Jarib B D Fogaça
Jarib B D Fogaça
Diretor Adjunto na ACIC, sócio na JFogaça Assessoria e conselheiro independente.

As megatendências e suas oportunidades!

No início dos anos 2000, uma nova tecnologia de perfuração e extração petrolífera chamada "fracking" começou a se espalhar pelo Estados Unidos. Fracking é o processo de injetar água em camadas de rocha que suportam petróleo a uma pressão muito alta, o que permite que o petróleo e o gás fluam em direção à cabeça do poço. Usado com outra inovação chamada perfuração horizontal, o fracking criou uma revolução econômica.

 

Na década de 2000, os Estados Unidos produziam, em média, cerca de sete milhões de barris por dia, tendo a Rússia e a Arábia Saudita à frente. Na metade da década seguinte, a produção americana disparou para atingir, em 2015, 12 milhões de barris por dia. O fracking permitiu que os EUA reduzissem drasticamente sua dependência ao petróleo estrangeiro e tornar-se uma das superpotências de energia do mundo novamente. Tudo graças às descobertas de xisto.

 

Na mesma época que o fracking começou a mudar para sempre o negócio de petróleo americano, o lendário Steve Jobs começou uma revolução por conta própria. Em 29 de junho de 2007, Jobs apresentou ao mundo a mais recente criação da Apple, o iPhone. O resto da história, você já sabe.  O iPhone passou a ser um dos produtos de consumo mais bem-sucedidos da história. Mais de um bilhão de iPhones foram vendidos desde 2007. O produto cimentou o status de Jobs como um dos maiores inovadores da realidade.

 

Essas duas histórias são sobre indústrias muito diferentes, mas elas têm na essência uma grande semelhança. Ambas são o produto de mentes livres e mercados livres. Ambas foram possíveis graças à uma inovação incrível. E ambas as histórias se passaram ao longo de muitos anos... enquanto criaram uma riqueza incrível para muitos.

 

E nesse contexto, quais seriam as megatendências que estão se formando no final desta década e estarão presentes na próxima década que se inicia em 2020? Ao identificar essas tendências de negócios que moldam o mundo, desde o início, nos permitirá desfrutar delas em cada um dos nossos negócios. Matt McCall é um articulista que escreve sobre finanças e investimentos e é autor de dois livros de investimento best-sellers: The Swing Trader's Bible e The Next Great Bull Market. Em um de seus vários artigos, ele identifica quatro grandes tendências do mundo moderno que estão constantemente transformando os negócios de forma profunda, que reproduzimos a seguir:

 

 

Inovação tecnológica: a humanidade tem uma história de inovações tecnológicas, como a imprensa, a internet, as ferrovias, os carros, as ressonâncias magnéticas, os antibióticos, as viagens aéreas, os telefones, a energia elétrica e o computador pessoal. Produtos e setores que nos permitiram passar de cavernas a aterrissar na lua;

 

Inovação empresarial: esta é uma categoria ampla para classificar grandes avanços nos negócios. Embora frequentemente utilizem inovações tecnológicas,

seu coração é de alguém que descobriu uma maneira melhor de fazer negócios. Exemplos que ilustram muito bem esses avanços incluem McDonald’s, Starbucks, entre muitos.

 

Grandes mudanças econômicas ou demográficas: por volta dos anos 1980, o dragão adormecido - a China - acordou. Um homem chamado Deng Xiaoping tornou-se líder do país. Deng acreditava que as pessoas deveriam ser livres para conduzir seus negócios e enriquecer. Ele relaxou os onerosos controles de negócios do governo e o que se seguiu foi um dos maiores booms econômicos da história. Na esteira das reformas de Deng, o país começou a construir rodovias, arranha-céus, portos, pontes, fábricas e usinas elétricas em escala colossal. Uma enorme população de jovens chineses estava lá para fazer o trabalho. Naturalmente, todos aqueles prédios consumiam quantidades impressionantes de recursos naturais. Para abastecer sua farra de construção, a China utilizou enormes quantidades de cobre, minério de ferro, petróleo, gás natural, carvão, zinco e estanho. Isso, por sua vez, criou um dos maiores e mais longos mercados de commodities da história.

 

Crise significa oportunidade: não é politicamente correto dizer isso, mas desastres econômicos criarão muitas das maiores oportunidades de investimento que teremos. Na maioria das vezes, os mercados financeiros precificam a maior parte dos ativos corretamente. A informação flui à velocidade da luz em nossa economia moderna. Isso dificulta a compra de ativos por menos do que eles realmente valem ou a venda de ativos por mais do que realmente valem.

 

Durante uma crise financeira (e/ou econômica), os mercados enlouquecem. Os investidores despejam ativos como ações e imóveis sem se preocupar com sua capacidade de produzir fluxos de caixa, aluguéis ou dividendos. É por isso que os mercados, a economia em baixa, as quedas de estoque, as guerras e os pânicos financeiros tendem a oferecer oportunidades extraordinárias para as pessoas que conseguem manter a cabeça fria enquanto outras perdem.

 

O que vimos é que o extraordinário crescimento econômico da China foi possibilitado pela inovação tecnológica e a inovação empresarial. Mas o que começou tudo isso foi uma grande mudança econômica para longe do comunismo e para o livre mercado. Também a história da China nos mostra porque devemos sempre procurar investir antes das grandes mudanças econômicas. Isto inclui mudanças “demográficas”, como a geração transformadora do baby boom e a geração do milênio.

 

Tal como Matt McCall diz: “Nunca deixar uma crise ser desperdiçada" é uma parte crítica do comportamento de ser um grande investidor, empreendedor e empresário.


Jarib B D Fogaça| Crise, Oportunidade, Inovação-empresarial, tecnologia, tendências

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados