https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/315..png
Jarib B D Fogaça
Jarib B D Fogaça
Diretor Adjunto na ACIC, sócio na JFogaça Assessoria e conselheiro independente.

Admirável mundo globalizado

Temos acompanhado de perto e com muitos detalhes o desenrolar surpreendente das consequências e dos riscos do coronavírus, tecnicamente chamado de Covid-19. A velocidade da contaminação tem sido alarmante, assim como o número de mortos. Há um esforço de todos para conter a contaminação com impactos reais na vida de cada ser humano do planeta. Desde a contenção física daqueles mais próximos até a contenção de mobilidade de outros, mesmo que distantes.

Os governos e órgãos econômicos já fazem estimativas alarmantes para uma retração econômica significativa. O mundo globalizado está pautado em uma dinâmica da produção mais eficiente e em maior volume no melhor lugar. Essa dinâmica coloca uma dependência de todos para o suprimento global uma vez que grande parte desse suprimento está regionalizado.

A globalização, sempre tida como uma ordem irrefutável e de certa forma benéfica para todo o planeta, agora apresenta de forma mais perceptível suas fraquezas. Quando discutimos a globalização de produtos e serviços e a possibilidade de nos suprirmos das nossas necessidades de qualquer ponto da face da terra, raramente nos damos conta de que um impedimento nessa comunicação e na movimentação de materiais e pessoas podem comprometer todo o sistema.

E vamos além disso – raramente nos damos conta de que temos uma infinidade de alimentos e coisas em nossas casas que nem sabemos de onde vieram, como vieram e quem foram aqueles que produziram. A beleza da globalização nos traz essa harmonia e sonoridade da integração global. Cada um de nós representa uma conexão produtiva no mundo e tanto suprimos como nos beneficiamos dela.

Já tivemos vários outros momentos de ruptura momentânea por outros vírus que se espalharam pelo mundo, mas o que nos torna mais vulneráveis agora é que a cada ano que passa estamos mais interconectados na cadeia produtiva e de suprimentos. Inclusive as catástrofes naturais já têm tido um grande impacto global.

Apesar de futurista em relação ao ser humano, a obra de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo, naquela época há quase 100 anos, mostra uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. O que ocorre é que no mundo industrial globalizado atual, já estamos vivendo algo semelhante, em um ambiente de produção que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade. E tudo isso em uma cadeia global de suprimentos!

O que Aldous Huxley não pôde prever, e nem a nossa sociedade tem sido capaz de prever, é a pura realidade humana inserida nesse contexto. O ser humano por natureza adoece, se contamina e se compromete com o seu entorno, e nosso instinto de preservação racional nos leva a ações de contenção e cuidado. Mesmo assim, não temos sido capazes de conter os vírus e as bactérias e as consequentes doenças que elas transmitem e causam constantemente. A evolução e a mutação desses vírus e bactérias acontece em uma velocidade enorme e nós, seres humanos, temos que estar alertas a todo o tempo.


Jarib B D Fogaça|

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados