https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/272..jpg
Jarib B D Fogaça
Jarib B D Fogaça
Diretor Adjunto na ACIC, sócio na JFogaça Assessoria e conselheiro independente.

A cidade do futuro. Ou do presente!

O futuro de uma cidade decorre dessas forças naturais de seus habitantes e seus usos, da visão individual e coletiva da sociedade e suas demandas e, acima de tudo, do poder público e como esse poder interage com as reais necessidades presentes e futuras dessa cidade.

Recentemente, uma escola de negócios na Europa, o IMD (Institute for Management Development) publicou em sua página, um índice: de pesquisa e conhecimento, o “IMD Smart City Index 2019”.

O IMD, em parceria com a Universidade de Tecnologia e Design de Cingapura, apresentou em 2019 a primeira edição do IMD Smart City Index com 102 cidades em todo o mundo. Ser uma cidade "inteligente" reconhecida globalmente pode se tornar fundamental para a atração de investimentos e talentos, criando um potencial "ciclo virtuoso”.

Até o momento, este parece ser o único índice global dessa natureza, que se concentra exclusivamente em como os cidadãos percebem o alcance e o impacto dos esforços para tornar suas cidades inteligentes, equilibrando aspectos econômicos e tecnológicos com dimensões humanas.

Já há algum tempo também se viu no Brasil uma discussão, liderada pela CPFL Energia, sobre a cidade do futuro, mais especificamente, “A Energia na Cidade do Futuro”; subsidiada por uma discussão detalhada de nove temas que deverão impactar a cidade do futuro, mais especificamente no setor elétrico. Naquele momento já se via o que hoje tem sido tão fortemente discutido, sobre o que será mais importante para o cidadão: a consciência ecológica universal de preservação do planeta ou o anseio por mais conforto e bem-estar individual? Notamos que certamente a busca do equilíbrio tem sido e deve ser a tônica neste tópico!

O que se nota logo no início dessa discussão, chamada de Visão 2030, é que as atividades econômicas, sociais e mesmo ambientais estão intimamente conectadas com a energia e suas fontes naturais. Elas possuem a energia nas suas mais diversas formas, como um instrumento básico de existência e subsistência. E, além disso, há uma relação direta entre o desenvolvimento econômico e os benefícios sociais derivados, e o consumo de energia, o tempo todo. Desta forma, a garantia do suprimento energético, de forma sustentável preferencialmente, se torna fundamental para qualquer discussão sobre a cidade inteligente, seja do futuro ou mesmo do presente momento.

Enquanto isso, a preparação do índice de cidades inteligentes promovido pelo IMD está baseada em dois pilares para os quais as percepções dos moradores são solicitadas: o pilar Estruturas, que se refere à infraestrutura existente das cidades e o pilar Tecnologia, que descreve as provisões e serviços tecnológicos disponíveis para os habitantes.

Na análise detalhada da cidade do futuro, “Visão 2030”, já no primeiro capítulo temos a discussão sobre a gestão da infraestrutura urbana. Esses temas são intrínsecos e codependentes, pois uma cidade para ser inteligente precisa desse pilar de infraestrutura e a ela acoplada, a tecnologia; mas nem a infraestrutura geral e muito menos a tecnologia funcionam e não funcionarão na cidade inteligente sem a infraestrutura específica de “energia”!

A cidade do futuro, ou mesmo do presente, tende a ser algo como um organismo vivo. Seu crescimento decorre dos usos e costumes de seus habitantes, muitas vezes até de usos impensados e até impróprios. O futuro de uma cidade decorre dessas forças naturais de seus habitantes e seus usos, da visão individual e coletiva da sociedade e suas demandas e, acima de tudo, do poder público e como esse poder interage com as reais necessidades presentes e futuras dessa cidade.

Qualquer que seja a visão de uma cidade inteligente, do presente ou do futuro, essa visão somente se materializará de forma gradual e contínua, pela evolução dos processos urbanos. O poder público eleito tem em suas mãos os vetores de influência e condução dos caminhos que uma cidade pode percorrer na melhoria de sua infraestrutura e tecnologia para sua população. E para que essa melhoria aconteça, é necessário se percorrer um caminho contínuo pois a construção das mudanças é gradual e as mudanças serão absorvidas pelas pessoas em diferentes etapas de sua vida. Da mesma forma, o poder público tem uma responsabilidade de continuidade e persistência na construção contínua dessa melhoria, mesmo nos momentos de sucessão e troca do Executivo e Legislativo de cada cidade.

O índice de cidades inteligentes foi criado baseado em dois pilares, Infraestrutura e Tecnologia e, acima de tudo, o quanto esses dois pilares propiciam benefícios reais à população na sua vida diária. Quanto a infraestrutura, devemos lembrar de alguns componentes que são vitais no nosso dia a dia, tais como água e esgoto, energia elétrica e gás, algumas vezes encanado ou entregue regularmente em nossas casas, e a estrutura viária de ruas e avenidas e principalmente o transporte urbano. Quanto a tecnologia, ainda vemos concretamente muito pouco apesar dos enormes alardes da mídia em geral. A tecnologia tem sido usada para gerir os ativos de infraestrutura e para nos dar como cidadãos muita informação, serviços e lazer. Talvez com o advento do 5G teremos uma nova onda maior da chamada tecnologia (realmente) embarcada, mas esse tema fica para outro dia!

Nosso país tem os elementos essenciais para a prosperidade. Ainda estamos bem distantes e estamos em poucos e muitas vezes mal colocados (ranqueados) em vários índices tais como de competitividade global e agora de cidades inteligentes – apenas São Paulo e Rio de Janeiro entraram nesse índice. É certo que muitas cidades desse índice são pequenas e médias, certamente sendo muito mais fácil se tornarem inteligentes. Mas isso deve então ser um alento de que muitas das nossas cidades médias poderiam sair na frente e se tornarem cidades inteligentes, exemplo para as demais.

O que nos chama a atenção é que a necessidade de se pensar a cidade do futuro, a cidade inteligente, é imediata – precisamos pensar na cidade do futuro de forma inteligente para termos uma cidade inteligente, na infraestrutura e na tecnologia, em prol da sua população, com benefícios reais de melhoria de condições de vida. A cidade inteligente deve propiciar ao cidadão condições essenciais de educação, saúde e segurança, elementos vitais para o bem-estar social e econômico, o que certamente promoverá um círculo virtuoso econômico e próspero.


Jarib B D Fogaça| jarib, acic, blog acic

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados