https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/536..jpg
Equipe ACIC
Equipe ACIC
Tradicional instituição empresarial de Campinas, fundada em 1920 e com mais de 2.500 empresas associadas, a ACIC apoia o desenvolvimento das empresas por meio de seus 3 pilares para soluções empresariais: Redução de Custos, Oportunidades de Negócios e Educação Empreendedora.

Vendas do varejo nacional crescem 4,7% em abril, diz Boa Vista

No ano, o indicador acumula queda de 8,5%. Segundo o birô de crédito, desemprego e a inflação inibem uma retomada mais forte da atividade. Fonte: JORNAL DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

O Indicador de Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo Brasil, avançou 4,7% em abril na comparação mensal dessazonalizada, de acordo com dados apurados pela Boa Vista. 

Na avaliação acumulada em 12 meses, a queda do indicador desacelerou de 7,7% para 5,0%, uma vez que na comparação com abril do ano passado foi observada alta de 24,6%. 

Vale a pena lembrar que no mês de abril do ano passado o impacto da pandemia foi grande: na ocasião, o varejo havia registrado queda de 17,1% na comparação interanual e de 18,1% no mês.

O resultado de abril está alinhado às expectativas de retomada das vendas no setor para o período, dado que neste mês as medidas de isolamento foram um pouco mais flexíveis. 

No ano, o indicador acumula queda de 8,5%, algo que também não surpreende, segundo a Boa Vista, dado que, mesmo com o início do processo de imunização da população, alguns outros fatores ainda inibem uma retomada mais forte da atividade, tais como o desemprego e a inflação.

Segundo o birô de crédito, a melhora no indicador foi muito influenciada pelo fim das restrições mais severas, bem como pela retomada parcial da confiança nos indicadores de consumo.

A tendência de desaceleração da queda na análise de longo prazo deve também ser observada no próximo mês, mas ainda influenciada pelo fraco efeito base, diz a Boa Vista, que enfatiza que a manutenção dessa trajetória de desaceleração depende de um pouco mais de robustez nos principais indicadores da economia, dado que os efeitos anteriormente mencionados tendem a se dissipar rapidamente, assim como os efeitos do auxílio emergencial mais tímido empregado a partir de abril.

 

IMAGEM: Thinkstock


Equipe ACIC|

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados