https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/406..jpg
Equipe ACIC
Equipe ACIC
Tradicional instituição empresarial de Campinas, fundada em 1920 e com mais de 2.500 empresas associadas, a ACIC apoia o desenvolvimento das empresas por meio de seus 3 pilares para soluções empresariais: Redução de Custos, Oportunidades de Negócios e Educação Empreendedora.

Recessão pode ser menos profunda do que se previa

Para o economista Gesner José de Oliveira Filho, as projeções iniciais não levaram em conta a reação de segmentos como o do comércio eletrônico. Fonte: JORNAL DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

Ainda é difícil enxergar para onde a crise de covid-19 irá levar a economia brasileira. É certo que o tombo será grande, mas o que se percebe agora é que a reação de alguns segmentos pode amenizar a queda.

Segundo o economista Gesner José de Oliveira Filho, professor da FGV, as previsões iniciais para o pais não consideraram a rápida adaptação do mercado ao teletrabalho, nem a força de reação do comércio eletrônico.

O auge da crise, de acordo com o economista, parece ter sido abril. Assim, previsões como as do Fundo Monetário Internacional (FMI), que esperam queda de 9% para o PIB brasileiro, não devem se concretizar. Para Oliveira Filho, a economia deve recuar 6,5% este ano.

“Será a maior recessão da história do Brasil, mas a reação de alguns setores e os auxílios do governo irão atenuar o problema”, disse o economista durante palestra virtual no Conselho de Câmaras Internacionais de Comércio (CCIC), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Ainda que a recessão seja menos profunda que a prevista inicialmente, sair dela não será fácil. Para o economista, a recuperação estará atrelada aos investimentos em infraestrutura. Como o setor privado está descapitalizado, ficaremos na dependência de investidores internacionais.

“Os recursos externos virão para o país. Estamos em uma era de juros negativos, o que torna escasso o retorno para o capital privado mundo afora. Mas no Brasil há possibilidade de retorno em áreas como a do saneamento ou energia”, disse Oliveira Filho.

Apesar das dificuldades regulatórias na área do saneamento básico, a pandemia escancarou uma realidade de anos: mais de 100 milhões de brasileiros não possuem tratamento de esgoto. A expansão da infraestrutura sanitária do país é uma oportunidade para o capital estrangeiro.

“Se minimamente pudermos gerar um ambiente de negócio mais seguro, vamos atrair investimentos ao transformarmos essa tragédia em oportunidade. O mesmo vale para outras cadeias, como a de petróleo e gás”, afirmou na live do CCIC.

Os gargalos de infraestrutura do país são um problema que pode se reverter em oportunidade para retomada no pós-pandemia. Hoje, os investimentos equivalem a 2,5% do PIB. Para o economista, precisaremos chegar a 5%.

Além das janelas de investimentos abertas, o câmbio depreciado, aliado à recuperação rápida da China – nosso principal parceiro comercial –, nos permitem vislumbrar uma saída da crise.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Para Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), a reforma tributária é um dos caminhos para tornar o ambiente de negócio do pais mais atrativo ao investidor.

Ele disse ter gostado da reforma apresentada pelo governo até o momento. “Somos a favor da desoneração da folha, mesmo com a contrapartida da criação do imposto sobre transações, que tem base ampla. Não é possível tributar mais as empresas”, afirmou.

Cotait também vê como necessária a criação de um “audacioso programa de comércio exterior”, para permitir às empresas compensarem a queda da demanda interna com incursões ao mercado externo. “A participação do Brasil no comércio internacional não chega a 1%. Precisamos mudar isso”, disse o presidente da ACSP.

Ele ainda destacou a necessidade de melhorar o acesso ao crédito, principalmente para as micros e pequenas empresas, e da aprovação da PEC emergencial 186/2019, que contribuiria para a diminuição do Estado, preservando, assim, mais recursos para serem investidos.  

IMAGEM: Pixabay


Equipe ACIC| #diariodocomercio

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados