https://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/588..jpg
Associação Comercial
Associação Comercial

Magalu e as maquininhas: um novo capítulo na guerra dos ecossistemas

Ao lançar um pacote de serviços para os sellers da plataforma, que inclui conta PJ e sistema de crédito, varejista dá mais um passo para atrair lojistas on-line - e ampliar presença no varejo físico. FONTE: JORNAL DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

Em tempos de pix, falar em 'guerra das maquininhas' é coisa do passado. Mas, para o Magazine Luiza, esses meios de pagamento agora são peças fundamentais para avançar um pouco mais na guerra dos ecossistemas.

A varejista acabou de lançar em sua Expo Magalu, realizada na última semana, um pacote de serviços que inclui conta digital pessoa jurídica gratuita, sistema de crédito e incentivos para vendas aos 90 mil sellers do seu marketplace, responsáveis por mais de R$ 3 bilhões em receitas na plataforma no 2° trimestre deste ano.

Os destaques, porém, foram os três modelos de maquininha, as 'MagaluPay': um, para microempreendedores, outro, para comerciantes, e o terceiro, chamado Smart, funcionará como um mini-sistema de gestão integrada que, além da função de pagamento, gerencia estoque após as operações de venda on-line ou físicas. 

A estratégia principal, segundo Robson Dantas, diretor de fintechs do Magalu, é trazer novos lojistas para a plataforma através dos serviços financeiros, além de aumentar o nível de relacionamento com os sellers. Em sua avaliação, esses terminais de negócios serão 'a porta de entrada para a digitalização do varejo brasileiro'.

"A tecnologia que conseguimos embarcar nas maquininhas vai ajudar os sellers a melhorarem muito as vendas, seja no on-line ou no off-line, levando a omnicanalidade para dentro do negócio”, destacou.

O lançamento, feito um dia após o chinês AliExpress anunciar que abriria sua plataforma a lojistas brasileiros com taxas menores que as praticadas pelos marketplaces daqui, e de a Via reduzir taxas para pequenos sellers, mostra que a estratégia do Magazine vai além, pois foca em outros pontos: capilaridade e dados.    

No caso específico da maquininha, a tática está mais relacionada a ampliar sua atuação no varejo físico, que ainda está muito restrita às lojas do Magazine, para atender regiões em que ainda não está presente, explica Ricardo Suda, consultor especializado em serviços financeiros e sócio-fundador do portal RadarPag. 

LEIA MAIS:  Sellers do Magalu terão acesso a ferramenta de criação de publicidade

"Essa complementaridade no portfólio de serviços, somada à diversificação das receitas, faz a varejista ficar menos sujeita a oscilações em segmentos específicos, conseguindor mais agressiva nos negócios", diz. 

Ou seja, lançar uma maquininha não significa se tornar mais um player no setor de meios de pagamento, destaca o especialista, já que o Magazine abrirá mão de diversas taxas durante um período pré-determinado para ganhar em volume. Além disso, apenas a versão Smart é conectada com a estrutura do Parceiro Magalu.

O movimento também é uma forma de 'sentir o mercado: à medida que esses serviços ganhem confiança na operação, haverá movimentação também para atrair mais pessoas físicas para o universo dos sellers, diz.  

E onde entram os dados? Além deste passo a mais no mundo físico, e de oferecer crédito e conta digital para pequenos lojistas virtuais se fortalecerem, Suda destaca a quantidade de informações de clientes e sellers que o Magazine captará no mercado, transformando-o em um competidor muito forte. Inclusive para os bancos.  

"E não serão só dados financeiros: diferente do banco, que só transaciona, o Magalu enxergará comportamento de compra. E terá mais condições de modelar linhas de crédito de acordo com cada cliente."

Como integrar um ecossistema também faz toda a diferença, as soluções digitais para os sellers nasceram 'em casa': tanto a conta digital empresarial gratuita, como o sistema das maquininhas, foram criados com tecnologias da Hub Fintech e Stoq, respectivamente - ambas empresas do Magalu, segundo o diretor Dantas.

BOM PARA TODOS? 

Além dos serviços, o novo pacote do Magalu vai oferecer facilidades para dar um empurrão nos comerciantes. Entre eles, suporte e assistência técnica nas lojas físicas da varejista. 

Não há cobrança de aluguel das maquininhas, e as taxas para Parceiros Magalu são menores (3,99%, mas podem chegar a 16%, para quem antecipar recebíveis).

Também há uma campanha de incentivo, em que lojistas ganham descontos de 1% a 2% nas taxas pagas à plataforma para quem vender acima de R$ 10 mil, e cresceram de 30% a 60% em relação ao mês anterior. E quem fizer uso da antecipação de recebíveis, pode receber mais 0,5 ponto percentual em desconto. 

Assim, as maquininhas continuam as 'vedetes' nessa nova estratégia de negócio - como o modelo Smart, que permite vender um produto mesmo que o seller não tenha o item na loja no momento, já que gestão de estoque físico e vendas on-line estão integradas com a ferramenta Parceiro Magalu, lembra Robson Dantas.

LEIA MAIS:  O varejo nunca voltará ao normal. E isso é uma coisa boa

Por isso, faz sentido apostar nesses terminais em tempos de pix, destaca o diretor de fintechs. "Nossa missão é que o meio de pagamento seja secundário. Se o cliente usa a maquininha, ele estará usando nossa solução para gerir seu negócio; o meio de pagamento acaba sendo apenas uma consequência", diz. 

Segundo o consultor Ricardo Suda, o universo que era dividido entre bancos versus varejo, passou a se transformar: os varejistas perceberam que, por meio de fintechs, teriam condições de oferecer os mesmos serviços. E sem pagar pedágio para os bancos, que levavam uma grande fatia dos resultados, afirma. 

Hoje, afirma, é mais difícil para um banco se aproximar de um varejista do que o contrário. E no caso do Magalu, que adquiriu mais de 20 empresas desde 2020, reforçou a logística rápida e está até investindo em educação e conteúdo, o resultado foi transformar seu ecossistema em superapp, ao estilo chinês

Ao ter uma oferta melhor que o banco, poderá complementar esse ecossistema com seguros, programas de fidelidade e até renegociação - coisas que a varejista ainda não tem, mas já está de olho, destaca Suda.

"Não estar mais restrito ao varejo, mas oferecer serviços, é a ideia dos ecossistemas de negócios." 

FOTO: Divulgação


 

 

Associação Comercial|

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados