http://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/123.jpg
Laerte Martins
Laerte Martins
Economista da ACIC

Vendas de julho/2017 em queda frente a julho/2016 em Campinas e Região

As vendas do comércio varejista de Campinas e Região apresentaram uma redução de 3,60% em relação à julho de 2016, mas superou em 2,55% as vendas de junho de 2017.  O julho em si, é um mês de férias escolares, com movimentação mais intensa em viagens e turismo, que é o segmento de maior procura, sendo que, na estação de inverno, o comércio ativa também, o segmento de vestuário / calçados e da linha mole (cama, mesa e banho).

Frente a crise econômica e política que vive o país, o consumidor tem comprado menos a prazo e mais a vista.

No acumulado do ano (janeiro a julho de 2017), as vendas recuaram 1,27% frente ao mesmo período de janeiro a julho de 2016, mostrando que as reduções estão abaixo das reduções anteriores.

A inadimplência, tanto em Campinas como na RMC, apresentou uma redução de 16,98% em relação a Junho de 2017, e uma expansão de 6,99% em relação a Julho de 2016.

Aqui, mais uma vez, avalia-se o efeito da utilização do FGTS Inativo, que aumentou o nível de liquidez, propiciando aos inadimplentes (40,0%) pagarem as suas contas em atraso.  O total de inadimplentes atingiu em julho passado, cerca de 386.425 pessoas em Campinas, o que representa cerca de R$ 278,2 milhões, cerca de 6,88% a mais que os consumidores de Janeiro a Julho de 2016, que apresentava um endividamento de R$ 260,3 milhões (369.164 pessoas).

Na RMC, esses dados totalizaram 920.060 pessoas inadimplentes na região em julho passado, representando cerca de R$ 662,4 milhões, um percentual de 6,89% a mais que o total de consumidores de janeiro a julho de 2016, que apresentou um endividamento de R$ 619,7 milhões (878.962 pessoas).

A previsão para o 2º semestre, diante da atual crise política e econômica que estamos vivenciando, continua em clima de incertezas e desconfiança, principalmente pela elevada taxa de desemprego de 13,3% no País.

A preocupação maior passa a ser a recuperação no nível de emprego e renda, das reformas trabalhistas e previdenciária, dos juros e câmbio, que estão atrelados com a Inflação que deverá retornar ao nível da meta (4,50%) frente ao elevado déficit público que pode desestruturar a economia, se não for combatido, e mantido, no mínimo nos 139,0 bilhões atuais.

 

 


Laerte Martins| Avaliação-Mensal, Julho, 2017, ACIC, Campinas, Associação-Comercial-Campinas

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados