http://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/47.jpg
Laerte Martins
Laerte Martins
Economista da ACIC

Vendas de abril em contenção em Campinas e região

As vendas do comércio varejista de Campinas, em abril de 2016 continuam em queda, em comparação com abril de 2015, com uma redução de 9,38% no seu volume de vendas. Quando comparado com o mês anterior, abril de 2016 apresentou uma leve queda de 0,74%, que representa praticamente uma igualdade no volume de vendas, isto porque, março teve menos dias úteis de vendas, principalmente pelos feriados da páscoa e do Tiradentes.

Em relação ao quadrimestre, de janeiro a abril, as vendas em valores nominais apresentam uma queda de 4,09%, com uma arrecadação de R$ 3.990,7 bi, menor que os R$ 4.160,8 bi de 2015.

Apesar do fraco volume de vendas, três segmentos foram positivos: vestuário/calçados, eletroeletrônicos e materiais de construção. O segmento de bebidas/ alimentação, foi negativo.

Outro destaque foi à queda de 16,15% nas vendas a prazo, e uma expansão de 10,25% nas vendas a vista, o que indica que o consumidor campineiro está adquirindo estritamente o necessário, em consonância com o seu fluxo de caixa, fugindo das aquisições mais supérfluas.

A inadimplência, em função da Lei da AR, foi estimada com um pequeno crescimento de 0,74% frente a março de 2016, e 7,51% frente a abril de 2015. No acumulado do ano, a inadimplência evoluiu em 6,85%, com 66.150 boletos/ carnês vencidos e não pagos a mais de 30 dias, representando cerca de R$ 47,6 milhões no endividamento dos consumidores, no comércio varejista.

Na RMC, os números projetados demonstram também, uma redução de 4,35% nos volumes do quadrimestre, e apresentando em volumes nominais uma arrecadação de R$ 9.588,2 bi, cerca de 3,23% abaixo do quadrimestre de 2015.

A inadimplência também apresentou, no quadrimestre, uma elevação de 6,85%, com 159.398 boletos/carnês vencidos e não pagos a mais de 30 dias, representando um montante de R$ 114,8 milhões no endividamento dos consumidores da RMC, no comércio varejista.

A expectativa para o comércio varejista frente à crise política e econômica (porque passa o governo central), é de uma forte recessão nas atividades da economia, com queda acentuada na produção industrial e com reflexos negativos, tanto no comércio, como nos serviços.

E o mais preocupante, que se junta a esses fatores recessivos, é o alto volume do desemprego, que já atinge a taxa dos dois dígitos.


Laerte Martins| Economia, Larte-Martins, Abril, Campinas, ACIC

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados