http://atualiza.acicampinas.com.br/ADMblog/thumbs/205.jpg
Eduardo Vilas Bôas
Eduardo Vilas Bôas
Professor, consultor, blogger e editor do MMdaMODA

Varejo, Revolução Afetiva e o seu Negócio

Alguns estudiosos da psicologia humana apontam que estamos vivendo uma nova era, a que denominam de Revolução Afetiva. Ao contrário do que vivemos desde 1960 até aqui, as pessoas estariam valorizando as emoções em todos os processos cognitivos, o que, para o interesse varejista, abarca também as relações de consumo.

Afetividade é um conceito genérico, podendo ser composto por ânimo e emoções. O ânimo (estado de espírito) é uma condição afetiva de fundo, que se prolonga em relação as variações que incidem nas emoções, ou seja, o consumidor pode ter ânimo mais curioso e desbravador durante a sua jornada de compra, mas pode, pontualmente, conforme as oscilações naturais das suas emoções, estar num dia mais impaciente.

As eventualidades emocionais não podem ser previstas pelos varejistas, mas o tipo de ânimo que governa a principal parcela da sua clientela tende a ser homogêneo e, por isso, pode e deve ser estudado. Aliás, esse temperamento é o que faz com que uma pessoa se comporte [quase] sempre da mesma forma em diferentes situações, ou seja, um cliente conservador tende a escolher marcas conhecidas e consagradas, enquanto outros temperamentos podem ser mais abertos as experimentações e as marcas novas.

J. A. Gray, ainda na década de 1980, disse que o ser humano apresenta três sistemas comportamentais, a saber:

Sistema de ativação comportamental: nos condicionamos a estímulos que nos remetem a sensações positivas ou negativas, ou seja, o cliente vai desejar novamente uma boa experiência de compra ou rejeitar marcas que lhe frustraram.

Sistema de inibição comportamental: organiza as reações a estímulos desconhecidos ou que estão ligados a uma punição, para o consumidor, podem impactar no medo ou vergonha de entrar numa loja, experimentar um novo produto ou mesmo de posicionar francamente os seus interesses quanto a compra.

Sistema de luta-fuga: organiza as reações a estímulos incondicionados ligados a perigos que conduzem a um ataque defensivo ou à fuga. Pode parecer estranho mas os varejistas, mais do que pensam, promovem a fuga dos seus clientes quando deixam músicas com volumes altos, ambientes escuros ou sujos, abertura de loja entulhada de produtos, equipe de vendas agressiva, preços mal dimensionados para o mercado que atuam e etc. Da mesma forma, promessas do passado não cumpridas colocam o cliente na defensiva: sua fala sempre será desacreditada.

Por isso tudo, vale destacar que as compras, cada vez menos, são racionais e, por isso, as emoções e os valores intangíveis relativos a jornada de compra e a marca (e não somente ao produto) são fundamentais para decisão de compra do cliente.

Dessa forma, um bom profissional de marketing poderá auxiliá-lo na identificação dos aspectos mais importantes que devem ser trabalhados e entregues ao seu público-alvo, de forma que a sua experiência de marca seja relevante, única e inesquecível.


Eduardo Vilas Bôas|

Pode lhe interessar


Colunistas


Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto Foto

Posts recentes


Assuntos relacionados